Farmácia Calvário
Farmácia Calvário
Precisa de ajuda?
O nosso conselho

Registe a nossa newsletter

Para receber todas as novidades, lançamentos e campanhas
@

Anemia

 Anemia

 

O que é a anemia?

Trata-se de uma patologia em que valor de hemoglobina presente no sangue está abaixo do normal, o que pode ser resultado, entre muitos outros factores, da carência de um ou mais nutrientes essenciais. A principal função da hemoglobina é o transporte de oxigénio dos pulmões para todo o corpo. É de referir que diferentes especialistas ligados à saúde têm publicamente manifestado preocupação com problemas de má nutrição, eventualmente associados à crise que o país atravessa. Com efeito, há situações de crianças carenciadas nas escolas, e os hospitais têm registado um número crescente de casos de crianças e idosos que ali chegam muito fracos e com possíveis sinais de anemia. É preciso intervir e esclarecer, antes que a ane- mia se transforme num problema de saúde pública.

A que se deve a anemia?

Em termos clínicos, existem várias causas que podem originar anemia, entre as quais insuficiente ingestão de ferro, e de vitaminas como a vitamina b12 ou ácido fólico; hemorragias; determinadas doenças crónicas, entre outras.

Mas, a anemia resultante do défice de ferro (conhecida por anemia ferropénica) é o tipo de anemia mais comum. Recorde-se ainda que a utilização de algumas terapêuticas pode dar origem ao aparecimento de anemia, uma vez que a toma de alguns medicamentos também pode causar esta patologia. Daí advém também a importância do aconselhamento por parte dos profis sionais de saúde no acto da prescrição e dispensa de medicamentos.

Convém não esquecer que há segmentos da população mais susceptíveis para o desenvolvimento de anemia: para além das grávidas, crianças e idosos, quem segue um regime alimentar vegetariano, os insuficientes renais ou hepáticos, ou quem tem determinados problemas intestinais, e ainda pessoas com doenças oncológicas.

Como se manifesta a anemia?

Os principais sintomas são falta de apetite, indisposição, fraqueza, dificuldades de aprendizagem, palidez da pele e das mucosas, dificuldade crescente para fazer exercício físico, dores de cabeça ligeiras, tonturas, zumbidos nos ouvidos ou palpitações. Atenda- se ao facto de o défice de ferro poder causar, por si só, manifestações como o desejo de ingerir elementos não alimentícios como por exemplo terra (Pica ou Geofagia), a inflamação da língua e cortes nas comissuras da boca e das unhas.

Mas há ainda outros sinais de alerta: a queda de cabelo, taquicardia, falta de ar e depressão, a lista é um pouco longa. Perante um ou vários destes sintomas, o médico pode requerer análises ao sangue (hemograma) que permitem conhecer o perfil dos constituintes do sangue, nomeadamente o valor da hemoglobina.

É ao médico que compete prescrever o tratamento, depois de investigar as causas da doença, que por vezes estão associadas a patologias mais ou menos graves, que podem causar perda de sangue. Entre estas incluem-se úlceras, pólipos intestinais, alguns tipos de cancro, entre outras. Nesses casos especiais o médico poderá sugerir a realização de exames complementares de diagnóstico para verificar a origem da hemorragia.

Há prevenção da anemia?

Muitos tipos de anemia não podem ser prevenidos, contudo é possível evitar anemias resultantes de défices nutricionais. A melhor prevenção é um regime alimentar equilibrado. O consumo de alimentos ricos em ferro é determinante para a prevenção da anemia por falta de ferro. Convém distinguir alimentos que contêm ferro e são de origem animal daqueles que, sendo também ricos em ferro, são de origem vegetal, visto que os primeiros permitem um maior "aproveitamento" do ferro ingerido do que os últimos.

A prevenção nutricional passa por saber que temos necessidades diárias de ferro (8 mg/dia para homens e cerca de 18 mg/dia para mulheres em idade fértil). Estas necessidades são ligeiramente diferentes para crianças, adolescentes e grávidas. Casos há em que o recurso a suplementos de ferro pode ser uma das indicações médicas, devendo o profissional de saúde estar atento ao regime alimentar praticado pelo doente.

Certo e seguro, a prática de estilos de vida saudáveis é um dos melhores instrumentos de prevenção e, muitas vezes, a anemia pode ser evitada se se tiver em conta um regime alimentar diversificado.

Recentemente, alguns nutricionistas e outros profissionais de saúde têm promovido iniciativas para aconselhar ementas equilibradas a baixo preço. Porque comer a baixo custo, dentro de parâmetros nutricionais correctos, é possível. Propõe-se mudanças de hábitos, um novo olhar sobre a economia doméstica e um regresso a alimentos tradicionais de tipo mediterrânico, alertando também para a importância da sopa, das leguminosas frescas, da qualidade dos ovos, e dos produtos hortícolas, fontes ricas em nutrientes como ferro, folatos e vitamina B12. Um regime alimentar diversificado e que inclua fígado e carnes vermelhas, ovos, feijão, lentilhas, ervilhas e espinafres, cereais integrais e frutos secos, por exemplo, garante o aporte de nutrientes fundamentais para a prevenção da anemia.

A grávida merece cuidados específicos, por isso, é comum os médicos recomendarem à futura mãe suplementos que contenham ferro.

Como se tratam os diferentes tipos de anemia?

A anemia ferropénica pode ser tratada com medicamentos que repõem os níveis de ferro. Estes tratamentos requerem cautelas: importa saber que a absorção do ferro pode ser dificultada pela presença de certos alimentos, como é o caso daqueles que contém cálcio (leite e derivados) ou os que são muito ricos em fibras (cereais integrais). É por isso que a toma de medicamentos contendo ferro é normalmente recomendada entre as refeições, com excepção dos casos em que há intolerância gastrointestinal, em que é recomendada a sua toma depois das refeições.

Por forma a favorecer a absorção do ferro, é aconselhada a ingestão simultânea de alimentos ricos em vitamina C, como é o caso dos citrinos.

É totalmente desaconselhada qualquer forma de automedicação, tendo em conta que os medicamentos com ferro só devem ser tomados por doentes que possuam comprovadamente uma anemia ferropénica. A duração do tratamento é determinada pelo médico, com base nos valores das análises, dado que a correcção da anemia varia com o doente, com o grau de deficiên- cia em ferro e com a situação que pro- vocou a patologia.

No caso de anemias causadas por deficiências vitamínicas, nomeadamente de vitamina b12 ou ácido fólico, o tra- tamento pode consistir na toma de medicamentos que reponham dos níveis normais destas vitaminas.

É fundamental cumprir a duração do tratamento para que este seja efectivo e permita "curar" a anemia.

Como tirar partido de uma conversa com o seu farmacêutico

O farmacêutico pode auxiliar em diversos aspectos, designadamente:

• Quando se dirigir à farmácia com queixas de fraqueza ou outras para as quais pretende um suplemento alimentar ou um polivitamínico, siga o aconselhamento do farmacêutico se ele lhe recomendar uma consulta médica;

• Se lhe tiver sido diagnosticada anemia e o médico lhe prescrever medicamentos indicados para o seu tratamento, esclareça também, com o seu farmacêutico; todas as dúvidas sobre a forma correcta de os tomar bem como os cuidados adicionais a ter,;

• Não suspenda o tratamento sem indicação médica, porque mesmo que as análises mostrem que o sangue que lhe corre nas veias tem os níveis de hemoglobina desejados, as reservas de ferro podem ainda não ter sido restabelecidas totalmente.

• Os medicamentos à base de ferro são melhor absorvidos com o estômago vazio, isto é, se tomados antes da refeição ou no seu intervalo. Deve, por isso, tentar tomá-los desta forma. Caso surjam queixas como dor e náuseas, será mais fácil tolerar o medicamento se este for tomado após a refeição;

• Lembre-se que se estiver medicado com ferro, as suas fezes aparecerão mais escuras do que o habitual. Não se assuste. Esta cor deve-se ao ferro que não foi absorvido e é eliminado pelas fezes. Algum tempo após o fim do tratamento, as fezes adquirem a cor normal;

• Finalmente, confie no seu farmacêutico quando este lhe disser que nenhuma anemia pode ser tratada com automedicação. Como tal, se suspeitar que tem anemia, nunca tome suplementos alimentares nem vitaminas para o seu tratamento.